“A Barra da Tijuca tem, hoje, o parque hoteleiro mais moderno do país”, diz Alfredo Lopes

Notícias recentes sobre o que acontece de mais importante voltar

*Por Fernando Rosenthal

Não é exagero dizer. Até pouco tempo atrás a Barra da Tijuca era carta fora do turismo no Rio. Rica em recursos naturais, a região tinha poucas conexões com os demais bairros da cidade e hotéis de baixa qualidade.

A situação representava um alívio para os moradores mais apaixonados pela privacidade, mas também significava uma verdadeira desventura para visitantes e turistas internacionais.

Os anos passaram e a realização da inédita Olimpíadas de 2016 fez com que toda a região passasse por transformações.

Mudanças que trouxeram bons empreendimentos que prosperam e geraram mais oportunidades, mas também entristeceram alguns moradores que perderam parte do sossego com a chegada do BRT e da Linha 4 do metrô.

Uma “troca” que valeu a pena, na visão do presidente da Associação de Hotéis do Rio e do Rio Convention & Visitors Bureau (ABIHRJ), Alfredo Lopes.

Especialista no assunto Alfredo afirma que as mudanças realizadas na Barra trouxeram outras melhorias para a região, como referências em gastronomia e comércio, além de investimentos que geraram empregos e oportunidades culturais por aqui.

– A questão da localização, que já foi um ponto negativo, hoje é superada pelas novas opções de transporte e também porque o próprio bairro se estruturou com opções de cultura, gastronomia e serviços, facilitando a logística e a rotina de turistas e de moradores. Hoje a Barra representa vários destinos em um só – indica.

Referência hoteleira do Brasil

Otimista com relação ao futuro do bairro Lopes cita a Barra como exemplo de desenvolvimento turístico no país. Algo que já pode ser comprovado por meio de estatísticas.

No anuário de 2016 da ABIHRJ, realizado em parceria com a Fecomércio, foi constatado que a grande maioria dos turistas nacionais já buscaram hospedagem na Barra ao invés do eixo Leme-Leblon. Os motivos foram a nova estrutura regional e as tarifas até 30% mais baixas que na Zona Sul.

Alfredo confirma que o público internacional ainda tradicionalmente tem maior presença nos bairros de Copacabana e Ipanema, mas que essa realidade está mudando. Ele aponta que isto se deve a um forte trabalho promocional, capitaneado pelo Rio CVB nas feiras de turismo, roadshows e eventos internacionais.

A instituição, aliás, trabalha em conjunto com o Ministério do Turismo para a flexibilização da exigência de vistos estrangeiros, como um meio de estimular a entrada de visitantes no país.

– As grandes redes instaladas no bairro também trazem seu público, como é o caso do Hilton e do Grand Hyatt. É um produto novo, existe um tempo de maturação, mas percebemos um grande interesse dos estrangeiros pela Barra. Podemos dizer que a Barra da Tijuca tem hoje o parque hoteleiro mais moderno do país. Foram colocados em operação mais de dez mil novos quartos. A região também teve grandes avanços no segmento de transporte (metrô e BRT) e hoje está totalmente integrada à cidade. A parte de gastronomia e comércio reúne os melhores empreendimentos do Rio de Janeiro. Acredito que precisamos desenvolver um grande calendário de eventos para potencializar o uso de toda essa novíssima infraestrutura – sugere.

Estímulos locais

Um quadro que pode avançar ainda mais. A ABIHRJ busca estruturar um calendário de eventos robusto com a participação de entidades como a Riotur e a Rio Negócios. A associação sugere fazer uso desta infraestrutura local de maneira sustentável, gerando ocupação hoteleira e fluxo turístico para todo o bairro.

De acordo com o especialista o foco é atrair os turistas para a Barra da Tijuca e motivar os cariocas a prestigiarem as opções de lazer que a região oferece para promover a circulação e a ocupação dos empreendimentos.

– Outro ponto importantíssimo é a ativação do legado Olímpico, através de eventos esportivos e culturais que motivem o uso destes equipamentos – aponta.

Questionado de que forma a Associação e a RioTur pretendem atrair os turistas para um Rio rodeada de crise financeira, política e segurança, Lopes acredita que o segredo será mesclar o novo com o tradicional. A ideia é ressaltar as qualidades naturais da cidade e mostrar o “banho de loja” que região passou.

– Todos os motivos trazem ao Rio. Temos o parque hoteleiro mais moderno do país. Reunimos em um mesmo destino opções de praia, montanha, gastronomia, cultura, história e ecoturismo. Temos a força da marca Rio. É claro que a cidade, assim como o país e o mundo, passa por uma grande crise, mas temos um produto totalmente renovado, para todos os gostos e bolsos. O turismo, inclusive, é parte importante do processo de geração de emprego, renda e protagoniza o desenvolvimento da cidade – conclui.

 

Fonte: barradatijuca.com.br