Rio ganha escritório de monitoramento de mídia para melhorar a imagem da cidade

Notícias recentes sobre o que acontece de mais importante voltar

POR RENAN RODRIGUES

 

RIO — A cidade do Rio ganhou um escritório de mídia voltado para a imprensa, sobretudo a internacional, com objetivo de produzir e divulgar notícias de variados assuntos. O objetivo da ideia, inspirada em outras cidades ao redor do mundo, é diminuir o impacto das notícias negativas sobre o destino turístico, considerado a principal porta de entrada do país. Lançado no último dia 9, o Rio Press Office, um serviço do Rio Convention and Visitors Bureau, é uma Fundação de direito privado sem fins lucrativos fundada em 1984 e mantida pelo trade turístico da cidade do Rio de Janeiro com objetivo de promover e divulgar a cidade no Brasil e no exterior como destino ideal para a realização de eventos e turismo de lazer. O escritório já mantém contato com cerca de 400 mil jornalistas ao redor do mundo. Quatro profissionais atuam na estrutura no momento.

 

O diretor do Rio Convention and Visitors Bureau Michael Nagy, à frente do projeto, explica que o Rio Press Office também monitora o que é publicado sobre o Rio em todo o mundo com o objetivo de corrigir equívocos. Ele cita como exemplo uma reportagem de um jornal europeu sobre casos de febre amarela em Garulhos. A reportagem, entretanto, dizia que a cidade paulista ficava próxima ao Rio. A distância entre os dois municípios é de 350 quilômetros em linha reta, segundo o Google Maps.

 

— A geração de pauta positiva faz gerar um ambiente de negócios cada vez melhor. O Rio é muito mais que praia, sol e caipirinha. Tem todo um conceito de variações de experiências, tem um lifestyle, tem uma das melhores infraestruturas da América Latina. Então, vamos trabalhando para que as pessoas venham conhecer esse destino, façam congressos. Queremos gerar oportunidades para que empresários do Rio possam ter negócios. O turismo é consequência — diz Nagy.

 

Assim como uma assessoria de imprensa, o Rio Press Office faz, nas palavras de Nagy, um “grande clipping mundial”. Eles identificam assuntos que saem sobre a cidade mas que não ganham repercussão mundial e, a partir dali, sugerem matérias para outros meios de comunicação ao redor do mundo para aumentar a repercussão de um assunto positivo para a cidade. Um exemplo recente ocorreu na Inglaterra. Lá, um jornal de uma cidade do interior publicou uma matéria sobre o valor do metro quadrado das praias do mundo. Copacabana, na Zona Sul do Rio, aparecia na lista. O Rio Press Office sugeriu o assunto a outros veículos ingleses de grande repercussão e a matéria foi replicada.

 

— Estamos procurando matérias que possam gerar pautas positivas no Rio e possam ser replicadas no mundo todo. Ficamos um ano e meio estudando exemplos mundiais e planejando a implantação. Não estamos aqui para combater os fatos. Contra eles não há argumento. Queremos mostrar que há muito mais do que se tem visão no Rio — Explica Nagy.

Exemplos mundiais não faltam, segundo o diretor do Rio Convention and Visitors Bureau. Las Vegas, Nova York, Londres e Paris, são algumas das cidades que adotam o press office. No caso francês, acrescenta Nagy, o escritório conta atualmente com 78 funcionários.

 

CALENDÁRIO PARA INCENTIVAR O TURISMO

Em maio, um estudo elaborado pela Fundação Getulio Vargas (FGV) a pedido do Ministério da Cultura apontou que, de janeiro a abril deste ano, um conjunto de 22 eventos (15 culturais, seis esportivos e um corporativo) movimentou R$ 5,93 bilhões no estado. Todos fizeram parte do programa Rio de Janeiro a Janeiro, lançado pelo governo federal para estimular o turismo na cidade.

Ao longo do ano, serão 154 eventos dentro do programa Rio de Janeiro a Janeiro. A expectativa é que gerem 351 mil empregos e R$ 773 milhões em tributos. O total previsto de investimentos públicos e privados foi estimado em R$ 1,06 bilhão. O carnaval do município do Rio foi o que teve maior impacto econômico, R$ 3 bilhões, seguido pelo réveillon carioca, que movimentou R$ 1,94 bilhão, e pela folia em Angra dos Reis, que gerou R$ 234,8 milhões entre investimentos e receitas.

MATÉRIA PÚBLICADA NO JORNAL O GLOBO NO DIA 1º/8/2018
https://oglobo.globo.com/rio/rio-ganha-escritorio-de-monitoramento-de-midia-para-melhorar-imagem-da-cidade-22890857